domingo, 28 de dezembro de 2008

Há Momentos

Há momentos na vida em que sentimos tanto

a falta de alguém que o que mais queremos

é tirar esta pessoa de nossos sonhos

e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser.

Seja o que você quer ser,

porque você possui apenas uma vida

e nela só se tem uma chance

de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.

Dificuldades para fazê-la forte.

Tristeza para fazê-la humana.

E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes

não têm as melhores coisas.

Elas sabem fazer o melhor

das oportunidades que aparecem

em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.

Para aqueles que se machucam.

Para aqueles que buscam e tentam sempre.

E para aqueles que reconhecem

a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante

é baseado num passado intensamente vivido.

Você só terá sucesso na vida

quando perdoar os erros

e as decepções do passado.

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar

duram uma eternidade.

A vida não é de se brincar

porque um belo dia se morre.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Amigos de verdade ?

Amigos de verdade não sei se tenho,
Acredito na amizade verdadeira,
Mais no momento ela me falta!
Sinto saudade do que acontecia...
Conversas paralelas, discussões repentinas,
Gargalhadas gostosas, abraços apertados,
Risos sem graça, choros desesperados...
Ah, meus amigos...
Dizíamos frases feitas, mais no fundo eram mais que verdade...
Um simples: ”EU TE AMO” se tornava uma grande declaração...
Em momentos de desespero era deles, só deles o meu tempo...
Não tínhamos medo da má interpretação dos outros.
Para nós o que importa é o que sentiamos uns pelos outros...
Saudades de todos os olhares perdidos,
Porem encontrados por amigos de verdade.
Sei que com o tempo ficaremos perdidos entre si.
Quando nossos filhos perguntarem:
-Quem são essas pessoas?
Com muita saudade, porém orgulho, responderei:
-São meus velhos amigos!”
Com o tempo o contato será mais difícil
Porém em pensamentos estaremos sempre perto!

Recomeço

Não posso mudar o que passou, mas posso deixar pra lá. Isso me ensina a crescer... Se as coisas não saírem como planejei, fico feliz, por ter hoje para recomeçar. Chorar de dor e tristeza faz parte do ser humano.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Dia da audácia

Parabéns para mim !!!!
Nesta data querida ...
Muitas felicidades ....
MUITOOOSSS anos de vida !!!!
DIA 27 = DIA DA AUDÁCIA
Feliz daquele que nasce neste dia, pois a junção dos números 2 (dois) e 7 (sete) somados, representam o carisma do número 9 (nove). O nativo deste dia é normalmente conhecedor dos mistérios da vida e pode, se quiser, ir a extremos: para o bem ou para o mal, e normalmente com 18 anos já definiu o caminho que vai percorrer.
Virtudes: dedicação àquilo que acredita, generosidade e genialidade. Fraquezas: falta de concentração e de persistência. Como lhe parece fácil realizar qualquer coisa, inclina-se a protelar tudo.
Normalmente intelectual, de natureza psicológica, é admirado e respeitado por todos que dele se aproximam, conseguindo realizar sonhos de paz e harmonia entre as pessoas. Tem personalidade audaciosa, liberal, corajosa, combativa e independente; é também grande amante da liberdade e não suporta dar satisfação dos seus atos, preferindo trabalhar só.
Quase sempre bem sucedido no plano material, dificilmente tem maiores problemas de dinheiro, pois sabe como consegui-lo. ( Essa parte não é verdade ... mas bem que eu queria)
Tem elevado senso de fraternidade e mente Universal... É afetuoso, emotivo, nervoso e de certa maneira um tanto extravagante, principalmente em se tratando de sua aparência. O amor, a afeição e dedicação ao semelhante representam muito e é capaz de grandes sacrifícios pelos que ama.
É por demais pacífico e jamais procura problemas, o que não quer dizer que seja covarde; muito pelo contrário, pois se pode tornar violento quando atingido por injustiças e ingratidões.
Caso não tenha uma existência superior e altruísta, as frustrações, fracassos e decepções podem lhe causar perturbações cardíacas e algum tipo de problema cerebral.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Ensaio de Deus

Acho triste como há pessoas
Que chegam como se vão,
No invólucro do mau.
Sem o toque da humanidade.
Alma seca e inveja sebosa.
Desespero de ser e ter.
Buscando o espelho, espelho meu:
"Quem será mais isso ou aquilo do que eu?"
Tramando e urdindo vanglórias
Com sorrisos angelicais dissimulados.
Deixando o ar pesado e negro.
Quando na vida tudo é transitório,
E só os humildes serão exaltados,
Como nos falou o Criador.
Acho triste como há pessoas
Que se vão e não deixaram
Recordações que alegram a alma.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

E tudo mudou ...

tudo mudou... O rouge virou blush O pó-de-arroz virou pó-compacto O brilho virou gloss O rímel virou máscara incolor A Lycra virou stretch Anabela virou plataforma O corpete virou porta-seios Que virou sutiã Que virou lib Que virou silicone A peruca virou aplique, interlace, megahair, alongamento A escova virou chapinha "Problemas de moça" viraram TPM Confete virou MM A crise de nervos virou estresse A chita virou viscose. A purpurina virou gliter A brilhantina virou mousse Os halteres viraram bomba A ergométrica virou spinning A tanga virou fio dental E o fio dental virou anti-séptico bucal Ninguém mais vê... Ping-Pong virou Babaloo O a-la-carte virou self-service A tristeza, depressão espaguete virou Miojo pronto A paquera virou pegação A gafieira virou dança de salão O que era praça virou shopping A areia virou ringue caneta virou teclado O long play virou CD A fita de vídeo é DVD O CD já é MP3 É um filho onde éramos seis O álbum de fotos agora é mostrado por email O namoro agora é virtual A cantada virou torpedo E do "não" não se tem medo O break virou street O samba, pagode O carnaval de rua virou Sapucaí O folclore brasileiro, halloween O piano agora é teclado, também O forró de sanfona ficou eletrônico Fortificante não é mais Biotônico Bicicleta virou Bis Polícia e ladrão virou counter strike Folhetins são novelas de TV Fauna e flora a desaparecer Lobato virou Paulo Coelho Caetano virou um chato Chico sumiu da FM e TV Baby se converteu RPM desapareceu ressuscitou em Maria Rita? Gal virou fênix Raul e Renato, Cássia e Cazuza, Lennon e Elvis, Todos anjos Agora só tocam lira... A AIDS virou gripe A bala antes encontrada agora é perdida A violência está coisa maldita! A maconha é calmante O professor é agora o facilitador As lições já não importam mais A guerra superou a paz E a sociedade ficou incapaz... De tudo. Inclusive de notar essas diferenças

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Dig ... Incubus

We all have a weakness
Some of ours are easy to identify
Look me in the eye
And ask for forgiveness
We'll make a pact to never speak that word again
Yes, you are my friend
We all have something that digs at us
At least we dig each other
So when weakness turns my ego up
I know you'll count on the me from yesterday
If I turn into another dig me up from under
What is covering the better part of me
Sing this song
Remind me that we'll always have each other
When everything else is gone, oh
We all have a sickness
That cleverly attaches and multiplies
No matter how we try
We all have someone that digs at us
At least we dig each other
So when sickness turns my ego up
I know you'll act as a clever medicine
If I turn into another dig me up from under
What is covering the better part of me
Sing this song (sing this song)
Remind me that we'll always have each other
When everything else is gone
Oh, each other, when everything else is gone
If I turn into another dig me up from under
What is covering the better part of me
Sing this song (sing this song)
Remind me that we'll always have each other
When everything else is gone.
Oh, each other (sing this song) when everything else is gone
Oh, each other, when everything else is gone.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Para Roubar uma coração

Para se roubar um coração, é preciso que seja com muita habilidade, tem que ser vagarosamente, disfarçadamente, não se chega com ímpeto, não se alcança o coração de alguém com pressa.
Tem que se aproximar com meias palavras, suavemente, apoderar-se dele aos poucos, com cuidado.
Não se pode deixar que percebam que ele será roubado, na verdade, teremos que furtá-lo, docemente.
Conquistar um coração de verdade dá trabalho, requer paciência, é como se fosse tecer uma colcha de retalhos, aplicar uma renda em um vestido, tratar de um jardim, cuidar de uma criança.
É necessário que seja com destreza, com vontade, com encanto, carinho e sinceridade.
Para se conquistar um coração definitivamente tem que ter garra e esperteza, mas não falo dessa esperteza que todos conhecem, falo da esperteza de sentimentos, daquela que existe guardada na alma em todos os momentos.
Quando se deseja realmente conquistar um coração, é preciso que antes já tenhamos conseguido conquistar o nosso, é preciso que ele já tenha sido explorado nos mínimos detalhes, que já se tenha conseguido conhecer cada cantinho, entender cada espaço preenchido e aceitar cada espaço vago. ...e então, quando finalmente esse coração for conquistado, quando tivermos nos apoderado dele, vai existir uma parte de alguém que seguirá conosco.
Uma metade de alguém que será guiada por nós e o nosso coração passará a bater por conta desse outro coração.
Eles sofrerão altos e baixos sim, mas com certeza haverá instantes, milhares de instantes de alegria. Baterá descompassado muitas vezes e sabe por que?
Faltará a metade dele que ainda não está junto de nós.
Até que um dia, cansado de estar dividido ao meio, esse coração chamará a sua outra parte e alguém por vontade própria, sem que precisemos roubá-la ou furtá-la nos entregará a metade que faltava. ... e é assim que se rouba um coração, fácil não?
Pois é, nós só precisaremos roubar uma metade, a outra virá na nossa mão e ficará detectado um roubo então!
E é só por isso que encontramos tantas pessoas pela vida a fora que dizem que nunca mais conseguiram amar alguém... é simples... é porque elas não possuem mais coração, eles foram roubados, arrancados do seu peito, e somente com um grande amor ela terá um novo coração, afinal de contas, corações são para serem divididos, e com certeza esse grande amor repartirá o dele com você.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Previnir é o melhor remédio ...

Acho a maior graça. Tomate previne isso,cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere...
Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos. Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.
Prazer faz muito bem.
Dormir me deixa 0 km.
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.
Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.
Brigar me provoca arritmia cardíaca.
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me embrulha o estômago.
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano.
E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem!
Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo, faz muito bem!
Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.
Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde!
E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda!
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna.
Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!
Cinema é melhor pra saúde do que pipoca! Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.
Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Economia é melhor do que dívida.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é melhor do que nada!
( Luiz Fernando Veríssimo )

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

O Quase

Ainda pior que a convicção do não, e a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase.
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.
Quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu ainda está vivo, quem quase amou não amou.
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, ás vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto.
A resposta eu sei de cor, está estampada na distancia e frieza dos sorrisos na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bom Dia” quase que sussurrados.
Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, mas não são.
Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza.
O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia á duvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.
Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo.De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.
Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.
Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque embora quem quase morre está vivo, quem quase vive já morreu.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Katy Perry

This was never the way I planned
Not my intention
I got so brave, drink in hand
Lost my discretion
It's not what, I'm used to
Just wanna try you on
I'm curious for you
Caught my attention
I kissed a girl and I liked it
The taste of her cherry chapstick
I kissed a girl just to try it
I hope my boyfriend don't mind it
It felt so wrongIt felt so right
Don't mean I'm in love tonight
I kissed a girl and I liked it
I liked it
No,I don't even know your name
It doesn't matter
You're my experimental game
Just human nature
It's not what good girls do
Not how they should behave
My head gets so confused
Hard to obey
I kissed a girl and I liked it
The taste of her cherry chapstick
I kissed a girl just to try it
I hope my boyfriend don't mind it
It felt so wrong
It felt so right
Don't mean I'm in love tonight
I kissed a girl and I liked it
I liked it
Us girls we are so magical
Soft skin, red lips, so kissable
Hard to resist so touchable
Too good to deny it
Ain't no big deal, it's innocent
I kissed a girl and I liked it
The taste of her cherry chapstick
I kissed a girl just to try it
I hope my boyfriend don't mind it
It felt so wrong
It felt so right
Don't mean I'm in love tonight
I kissed a girl and I liked it
I liked it

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Seduza - me

Procure-me, mas finja que não me viu.
Enquanto me finjo desconcentrada,
Converse com todos ao nosso lado,
Depois me cumprimente sem receio.
E sem jeito, conte sua piada,
Que mesmo sem graça, darei risada.
Conte-me sua visagem,
Que mesmo tola e exagerada,
Fingirei-me ébria e enredada.
E se te atrapalhares, cuidado!
Tropeces com timidez, mas não caia!
Acho lindo você envergonhado...
Aí, chegue mais perto e se sente.
E depois, finalmente, seduza-me!
Esbarre sua mão em mim sem querer.
No fulgor do meu rosto, se aproveite,
Por favor, adiante-se e me beije!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Amor e Loucura

Em tempos atrás viviam duas crianças,um menino e uma menina, que tinham entre quatro e cinco anos de idade.
O menino chamava-se Amore a menina Loucura.
O Amor sempre foi uma criança calma, doce e compreensiva.
Já Loucura era muito emotiva, passional e impulsiva,enfim, do tipo que jamais levava, desaforo para casa.
Entretanto com todas as diferenças, as crianças cresciam juntas, inseparáveis; brincando, brigando...
Mas houve um dia em que o Amor não estava muito bem, e acabou cedendo às provocações de Loucura, com a qual teve uma discussão muito feia.
Ela não deixava nada barato, estava furiosa como nunca com o Amor, começou a agredi-lo, mas não só verbalmente como de costume.
A menina estava tão descontrolada que agrediu o garoto fisicamente e, antes que pudesse perceber,arrancou os olhos do Amor.
O Amor sem saber o que fazer, chorando foi contar à sua mãe, a deusa Afrodite, o que havia ocorrido.
Inconsolada, Afrodite implorou à Zeus que ajudasse seu filhoe que castigasse,Loucura.
Zeus, por sua vez, ordenou que chamassem a garota para uma séria conversa.
Ao ser interrogada a menina respondeu como se estivesse com a razão que o Amor havia lhe aborrecido e que foi merecido,tudo o que aconteceu.
Embora soubesse que não forajusta com seu amigo,a menina que nunca soube se desculparconcluiu dizendo que a culpa havia sido,do Amor e que não estava nem um pouco arrependida.
Zeus, perplexo com a aparente friezadaquela criança disse que nada poderia fazer para devolver a visão do Amor,mas, ordenou que Loucura estaria condenadaa guiá-lo por toda a eternidade,estandosempre junto ao Amor em cada passo que este desse.
E até hoje eles caminham juntos,onde quer que o Amor esteja com ele estará Loucura,quase que fundidos numa só essência.
Tão unidos que por vezes não se conseguedefinir onde termina o Amor,e onde começa a Loucura.
E também por isso que usa-se dizer:Que o Amor é cego;
Mas isso não é verdade...
Pois o " Amor tem os olhos da Loucura". rcebi do meu amiguxuh Rafaaaa .... valeu moço !

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Pedaço de mim ( Chico Buarque )

Oh, pedaço de mim
Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar
Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais
Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu
Oh, pedaço de mim
Oh, metade amputada de mim
Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi
Oh, pedaço de mim
Oh, metade adorada de mim
Lava os olhos meus
Que a saudade é o pior castigo
E eu não quero levar comigo
A mortalha do amor
Adeus

sábado, 27 de setembro de 2008

strife

Não entendo porque tem tanta gente que gosta de brigas ... eu evito ... evito de todas as formas que consigo, se bem que quando estou no meu período fértil ( como diria minha amiga Élida ), não consigo evitar um estressisinho básico, bom .... mas pelo menos eu tento, né ? Não gosto de brigar, nem discutir, nem mesmo levantar a voz mas do que o necessário, apesar de ser “Pulante” ( usando outro termo da minha irmãzinha ), não tenho o habito de sair gritando por ai ... ta bom ... até faço coisas do gênero AS VEZES ... mas só por bons motivos ... Mas como ia dizendo, eu prefiro mesmo é estar sempre errada à ter que me exaltar com alguém; mesmo tendo a plena convicção de que uma pessoa tão perfeita quanto eu não pode estar errada ... Estou me tornando perita em fingir estar errada, acho que pelo menos pra isso as aulas de teatro servem ... hauhauhau Costumo achar que isso é prudência da minha parte, pois assim evito muitas confusões, que ao meu ver são extremamente desnecessárias. Mas que de vez em quando dá uma vontade LOUCAAAA de agarrar uns pescoços por ai .... bom ... sou perfeita mas não sou de ferro, né .... rsrsr .... melhor eu parar por aqui entes que comece a me exaltar.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Elizabeth Bennet

"A vaidade e o orgulho são coisas diferentes, embora as palavras sejam frequentemente usadas como sinônimos. Uma pessoa pode ser orgulhosa sem ser vaidosa. O orgulho se relaciona mais com a opinião que temos de nós mesmos, e a vaidade, com o que desejaríamos que os outros pensassem de nós". (Trecho de Orgulho e Preconceito, de Jane Austen).

sábado, 20 de setembro de 2008

"Nem tudo que se enfrenta pode ser modificado. Mas nada pode ser mudado até que seja enfrentado" (Chico Xavier).

Nasceste no lar que precisavas, Vestiste o corpo físico que merecias, Moras onde melhor Deus te proporcionou, de acordo com teu adiantamento.
(...) Teu ambiente de trabalho é o que elegeste espontaneamente para a tua realização. Teus parentes, amigos são as almas que atraístes, com tua própria afinidade. Portanto, teu destino está constantemente sobre teu controle. Tu escolhes, recolhes, eleges, atrais, buscas, expulsas, modificas tudo aquilo que te rodeia a existência. Teus pensamentos e vontades são a chave de teus atos e atitudes... São as fontes de atração e repulsão na tua jornada vivência. Não reclames nem te faças de vítima. Antes de tudo, analisa e observa. A mudança está em tuas mãos. Reprograme tua meta, busque o bem e viverás melhor. "Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim ". Chico Xavier

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Conto dos três irmãos

Era uma vez três irmãos que estavam viajando por uma estrada deserta e tortuosa ao anoitecer. Depois de algum tempo, os irmãos chegaram a um rio fundo demais para vadear e perigoso demais para atravessar a nado. Os irmãos, porém, eram versados em magia, então simplesmente agitaram as mãos e fizeram aparecer uma ponte sobre as águas traiçoeiras. Já estavam na metade da travessia quando viram o caminho bloqueado por um vulto encapuzado.E a Morte falou. Estava zangada por terem lhe roubado três vítimas, porque o normal era os viajantes se afogarem no rio. Mas a Morte foi assusta. Fingiu cumprimentar os três irmãos por sua magia, e disse que cada um ganhara um prêmio por ter sido inteligente o bastante para lhe escapar.Então, o irmão mais velho, que era um homem combativo, pediu a varinha mais poderosa que existisse: uma varinha que sempre vencesse os duelos para seu dono, uma varinha de um bruxo que derrotara a Morte! Ela atravessou a ponte e se dirigiu a um velusto sabugueiro na margem do rio, fabricou uma varinha de um galho de árvore e entregou-a ao irmão mais velho.Então, o segundo irmão, que era um homem arrogante, resolveu humilhar ainda mais a Morte e pediu o poder de restituir a vida aos que ela levara. Então a Morte apanhou uma pedra da margem do rio e entregou-a ao segundo irmão, dizendo-lhe que a pedra tinha o poder de ressuscitar os mortos.Então, a Morte perguntou ao terceiro e mais moço dos irmãos o que queria. O mais moço era o mais humilde e também o mais sábio dos irmãos, e não confiou na Morte. Pediu, então, algo que lhe permitisse sair daquele lugar sem ser seguido por ela. E a Morte, de má vontade, lhe entregou a própria Capa da Invisibilidade.Então, a Morte se afastou para um lado e deixou os três irmãos continuarem a viagem e foi o que eles fizeram, comentanto, assombrados, a aventura que tinham vivido e admirando os presentes da Morte.No devido tempo, os irmãos se separaram, cada um tomou um destino diferente. O primeiro irmão viajou uma semana ou mais e, ao chegar a uma aldeia distante, procurou um colega bruxo com quem tivera uma briga. Armado com a varinha de sabugueiro, a Varinha das Varinhas, ele não poderia deixar de vencer o duelo que se seguiu. Deixando o inimigo morto no chão, o irmão mais velho dirigiu-se a uma estalagem, onde se gabou, em altas vozes, da poderosa varinha que arrebatara da própria Morte, e de que a arma o tornava invencível.Na mesma noite, outro bruxo aproximou-se sorrateiramente do irmão mais velho enquanto dormia em sua cama, embriagado pelo vinho. O ladrão levou a varinha e, para se garantir, cortou a garganta do irmão mais velho.Assim, a Morte levou o primeiro irmão. Entrementes, o segundo irmão viajou para a própria casa, onde vivia sozinho. Ali, tomou a pedra que tinha o poder de ressuscitar os mortos e virou-a três vezes na mão. Para sua surpresa e alegria, a figura de uma moça que tivera esperança de desposar antes de sua morte precoce surgiu instantaneamente diante dele.Contudo, ela estava triste, como que separada dele por um véu. Embora tivesse retornado ao mundo dos mortais, seu lugar não era ali, e ela sofria. Diante disso, o segundo irmão, enlouquecido pelo desesperado desejo, matou-se para poder verdadeiramente se unir a ela.Então, a morte levou o segundo irmão. Embora a Morte procurasse o terceiro irmão durante muitos anos, jamais conseguiu encontrá-lo. Somente quando atingiu uma idade avançada foi que o irmão mais moço despiu a Capa da Invisibilidade e deu-a de presente ao filho. Acolheu, então, a Morte como uma velha amiga e acompanhou-a de bom grado, e, iguais, partiram desta vida.
trecho do livro Harry Potter e as Relíquias da Morte, de J. K. Rowling

sábado, 13 de setembro de 2008

Goo Goo Dolls

E eu desistiria da eternidade para te tocar
Pois eu sei que você me sente de alguma maneira
Você é o mais próximo do paraíso que jamais estarei
E eu não quero ir para casa agora
E tudo que posso provar é este momento
E tudo que posso respirar é a sua vida
E cedo ou tarde se acaba
Eu só não quero ficar sem você essa noite
E eu não quero que o mundo me veja
Porque eu não acho que eles entenderiam
Quando tudo é feito para não durar
Eu só quero que você saiba quem eu sou
E você não pode lutar contra as lágrimas que não virão
Ou o momento da verdade em suas mentiras
Quando tudo se parece como nos filmes
Sim, você sangra apenas para saber que está viva
E eu não quero que o mundo me veja
Porque eu não acho que eles entenderiam
Quando tudo é feito pra não durar
Eu só quero que você saiba quem eu sou
E eu não quero que o mundo me veja
Porque eu não acho que eles entenderiam
Quando tudo é feito pra não durar
Eu só quero que você saiba quem eu sou
E eu não quero que o mundo me veja
Porque eu não acho que eles entenderiam
Quando tudo é feito pra não durar
Eu só quero que você saiba quem eu sou

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

A confusão de números

Eu sou uma pessoa MUITO difícil ... eu não era assim não, sabe? Eu era uma menina comportada ... menina moça ... pura e inocente ... que sentia orgulho em só interagir com o número 1 e olha que demorei pra chegar no 1 .... até os 14 fiquei no 0 mesmo ... ai conheci o 1 e gostei ... tive o primeiro 1 e uns cinco 1's durante o primeiro e o primeiro foi subtraido pq queria somar ... veio o segundo 1 e um outro 1 que subtraiu o primeiro ... daí veio o terceiro 1 ... e ai não quis mais 1 durante 1 e subtrai o terceiro ... e comecei a ter 1's sem compromisso ... e vivi muito feliz e contente com 1 por 1 sem preocupação com soma ou subtração ... mas acontece que pulei pra 2 e fiquei muito triste pelo 1 pq eu adorava sua ingenuidade ... mas o 2 foi tão divertido, tão diferente que a tristeza passou ligeiro dando lugar satisfação ... mas agora a coisa ficou feia pq o 5 entrou na história ... e 5 é muita coisa ... não dá pra aceitar ... melhor eu voltar pro 1 e assim me contentar.

Será ???

É muito ruim sentir algo novo e não ter com quem compartilhar ... até tem aquela pessoa com quem você gostaria de compartilhar, mas esta pessoa entre todas aquelas que dizem querer algo teu é a única que não dá atenção aos seus sinais ... ou talvez ela não queira vê-los ... a pior parte é que você recebe carinho e atenção de outras ... mas esta, esta pessoa desconhecida, é a única que causa alguma faísca no seu céu ... ela ... essa pessoa ... não sente o mesmo por você ... e você querendo mais ... você querendo fogos de artifício ... querendo levantar meia perna e se sentir nas nuvens ... Será que eu não posso sentir algo assim ??? Será que não vou encontrar alguém para compartilhar essas sensações ??? Não sou lá uma pessoa das mais românticas, mas também não sou tão insensivel.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Aline (Los Hermanos )

Oh, minha menina és de tudo que mais belo existe
Ver tua beleza é esquecer tudo que há de triste
Tua presença Aline é tão sublime quanto o mar e o ar
E estar sempre ao teu lado é ser amado e ter pra sempre o teu
Olhar que faz meu bem querer, sustenta meu amor
Que faz com que a cada dia eu te ame mais...
Sei que a tua boca já beijou a outra que não a minha
Sei que já amou a outros quando não me conhecia
Mesmo assim Aline teu carinho me tomou o peito
Hoje sem você não mais consigo ser do mesmo jeito
Então dedico a ti esta canção
Tentando em notas dizer
Que eu te amo tanto
Tentando gritar ao mundo
Aline sem você confesso eu não vivo
Sem você minha vida é um castigo
Sem você prefiro a solidão
A sete palmos do chão

terça-feira, 19 de agosto de 2008

E as árvores somos nozes !

As folhas caem e eu me pego pensando sobre minha vida, e me sinto exatamente como uma árvore, muitas pessoas passam pela minha vida, a deixando mais bela, fazem com que eu seja mais viva, enriquecem meu ser e frutificam carinho, mais elas são como folhas, me embelezam, me dão viva me enriquecem e frutificam mas depois de um tempo se vão, para dar espaço para outras folhas ... Eu sinto que é natural ser árvore e estar sempre mudando a folhagem, mas as vezes em minhas reflexões penso que é solitário ser árvores, pois no outono quando as folhas me abandonam fico sem uma parte muito bonita de mim ... Então entendo que o que me faz verdadeiramente feliz são as sementes que planto nos corações daqueles que me amam ... dessas sementes nasce a amizade.
Agradeço a Deus pela fertilidade na vida dos meus amigos verdadeiros, pois possibilita que floresça sentimentos lindo feito flores em nossos corações !
por Pollyanna.

sábado, 9 de agosto de 2008

.....

Eu quero a sina de um artista de cinema
Eu quero a cena onde eu possa brilhar
Um brilho intenso, um desejo, eu quero um beijo
Um beijo imenso, onde eu possa me afogar
Eu quero ser o matador das cinco estrelas
Eu quero ser o Bruce Lee do Maranhão
A Patativa do Norte, eu quero a sorte
Eu quero a sorte de um chofer de caminhão
Pra me danar por essa estrada, mundo afora, ir embora
Sem sair do meu lugarPra me danar, por essa estrada, mundo afora, ir emboraSem sair do meu lugar
Ser o primeiro, ser o rei, eu quero um sonho
Moça donzela, mulher, dama, ilusão
Na minha vida tudo vira brincadeira
A matinê verdadeira, domingo e televisão
Eu quero um beijo de cinema americano
Fechar os olhos fugir do perigo
Matar bandido, prender ladrão
A minha vida vai virar novela
Eu quero amor, eu quero amar
Eu quero o amor de Lisbela
Eu quero o mar e o sertão
Eu quero amor, eu quero amar
Eu quero o amor de Lisbela
Eu quero o mar e o sertão

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

CODIRC


Bom, não posso falar muito sobre o evento porque não faço parte de nenhum dos clubs ROTARACT e não conheço o suficiente do trabalho feito por eles para comentar ... só posso dizer que são projetos muito bons idealizados por pessoas sensacionais, e é sobre isso que quero falar ... sobre as pessoas maravilhosas que conheci na CODIRC, pessoas que sem nem ao menos me conhecer me receberam corinhosamente e me trataram como parte do grupo, me senti super acolhida ... pessoas com um coração enorme que não pensam apenas em si, mas também naquele que está ao lado ... quero agradecer a todos eles, mas principalmente a galera do ROTARACT TIJUCA ( Camila, Fabio, Daniel, Leo e Batata), ao Chico e a Cléo, que me concederam a oportunidade de ter um fim de semana agradável e conhecer pessoas muito interessantes.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

A dança das borboletas

As borboletas estão voando

A dança louca das borboletas

Quem vai voar não quer dançarsó quer voar, avoar

Quem vai voar não quer dançarsó quer voar, avoar

E as borboletas estão girando

Estão virando a sua cabeça

Quem vai girar não quer cair só quer girar, não caia!

Quem vai girar não quer cair só quer girar, não caia!

E as borboletas estão invadindo os apartamentos, cinemas e bares

Esgotos e rios e lagos e mares

Em um rodopio de arrepiar

Derrubam janelas e portas de vidro

Escadas rolantes e nas chaminés

Se sentam e pousam em meio à fumaça

De um arco-íris, se sabe o que é

Se sabe o que é... Se sabe o que é...Se sabe o que é... Se sabe o que é...

E as borboletas estão invadindo

os apartamentos, cinemas e bares

Esgotos e rios e lagos e mares

Em um rodopio de arrepiar

Derrubam janelas e portas de vidro

Escadas rolantes e nas chaminés

Se sentam e pousam em meio à fumaça

De um arco-íris, se sabe o que é

Se sabe o que é... Se sabe o que é...

Se sabe o que é... Se sabe o que é...

sexta-feira, 11 de julho de 2008

site do meu amigo querido !

http://www.artedavida.com/ Este é o site do Luciano Nascimento, ele é tetraplégico. Entrem e vejam os quadros maravilhosos que ele pinta com a boca.

Sucesso !!!

Aos 02 anos .. sucesso é ... conseguir andar.
Aos 04 anos .. sucesso é ... não mijar nas calças.
Aos 12 anos .. sucesso é ... ter amigos.
Aos 18 anos .. sucesso é ... ter carteira de motorista.
Aos 20 anos .. sucesso é ... fazer sexo.Aos 35 anos .. sucesso é ... dinheiro.
Aos 50 anos .. sucesso é ... dinheiro.
Aos 60 anos .. sucesso é ... fazer sexo.
Aos 70 anos .. sucesso é ... ter carteira de motorista.
Aos 75 anos .. sucesso é ... ter amigos.
Aos 80 anos .. sucesso é ... não mijar nas calças.
Aos 90 anos .. sucesso é ... conseguir andar.
Sucesso para você!.....(rs)
ESSA É A VIDA.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

...

Un jour, la plupart d'entre nous seront séparés. Nous manquons de tous les conversations joué, les découvertes, nous avons fait, les rêves que nous avions, tant de rires et des moments nous avons en commun ... Saudades jusqu'à ce que les moments de larmes, l'angoisse, à la veille du week-end, la fin de l'année, enfin ... la compagnie a vécu ... J'ai toujours pensé que les amitiés continuer à jamais ... Aujourd'hui, j'ai beaucoup plus sûr. Peu de temps chaque vai obtenir sa part, est la destination, ou pour tout désaccord, suit sa vie, mai nous continuer à nous trouver, qui sait ... dans les e-mails échangés ... Nous pouvons nous appeler ... parler certains sèche. Ils passeront la journée ... mois ... ans ... jusqu'à ce que ce contact devenir de plus en plus rares. Nous perdrons pas de temps ... Un jour, nos enfants voir les photos et poser les questions suivantes: Qui sont ces gens? Diremos qui étaient nos amis. E. .. vai It Hurt so much! Ils étaient mes amis, était avec eux que j'ai vécu les meilleures années de ma vie! La nostalgie va pousser bien dans la poitrine. Vai à un désir de se connecter, à entendre les voix de nouveau ... Lorsque notre groupe est incomplète ... nous nous réunissons pour un dernier adieu à un ami. Et, entre les larmes abraçaremos ... Nous trouverons les promesses de plusieurs fois ce jour-là. Enfin, chaque vai vos côtés pour continuer à vivre leur vidinha isolées du passé ... Et nous perdre dans le temps ... Voici donc un humble ami demande: ne laissez pas passer la vie en blanc, et que les petites difficultés sont la cause de grandes tempêtes ... Je pouvais supporter, mais non sans douleur, qui étaient morts tous mon amour ... enlouqueceria mourir mais si tous mes amis!
( Vinícius de Morais )

sexta-feira, 6 de junho de 2008

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Lindo ... Linda

Ele faz de propósito;
Me abraça, me envolve e me deixa louca,
Não consigo parar de sentir seu cheiro, pensar em seus braços, seu peito forte e protetor,
não paro de pensar em como eu QUERO esta proteção pra mim.
Ele é lindo, lindo, lindo...
magro demais, alto demais, estranho demais,
LINDO DEMAIS.
Mas ele não me olha, não me sente, não me cheira
e provavelmente não me vê....
Linda, linda, linda...

sexta-feira, 16 de maio de 2008

...

Porque toda vez que eu quero amar você me deixa sozinha no mar?
Eu quero remar junto,
sei que fica mais fácil chegar ao porto.
Eu quero mergulhar com você,
e compartilhar as belas paizagens que ver.
Eu quero velejar com você,
para cada vez mais nos tornarmos um so ser.
Eu quero ter você ao meu lado,
neste barco, para remar, mergulhar, velejar...
Mas acima de tudo ...
amar, amar e amar.
Por Pollyanna.

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Line Chan ...

Há coisas que não se entendem e mesmo assim se ama não é ...
Nossas vidas não foram feitas para entender ... foram feitas pra se viver ...
Procurando felicidade? Ela é a sua sombra ... esta sempre com você, mas quantas foram as veses que notou ela?
Procurando respostas menina? São o vento, você as sente batendo em seu rosto, mas não pode vê-las ...
Procurando amor? Você tem um jardim de flores nos fundos da vida, mas quantas delas são roxas?
Mas o fato é que elas não crescerão sozinhas. Só haverão flores roxas se alguém as plantar ... E então? Como andam suas habilidades com jardinagem linda Line?
Tem cuidado do coração com a mesma habilidade que cuida das aparências?
Com a mesma habilidade que cuida para que todos gostem de você?
Ao que tem dado mais importância?
Por Edgard Antonello

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Filha !

No momento em que me veio,
pude sentir seu perfume em meus poros.
Pequenina e cheirosa em um embrulho delicado,
emocionado e atrapalhado me deixou.
Cresceu e floreceu,
seu perfume se espalhou, já não sou mas o único que te olha apaixonado.
Sou somente teu pai;
que te ama para sempre.
Nas frases rudes que digo
sinto dor,
que para mim é meu castigo.
Tenho medo e sofro calado,
que um dia me abandone,
pelo seu novo amado.
Sou feliz por ser pai dela,
que é meiga, singela e carinhosa.
( Meu pai escreveu este texto para minha irmã mais velha quando ela completou 15 anos agora ela está com 21 e tem uma filhinha de 1 aninho... eu sempre adorei, por isso achei legal postar).

terça-feira, 13 de maio de 2008

Eu quero amor ...

Será que um dia alguém vai se preocupar com o que eu penso, com o que eu gosto, com o que eu desejo e quero ... ninguém liga para os meus sonhos, ninguém dá importância para o que eu falo, amo, adeio ... eu vivo rodeada por pessoas que não me conhecem, pessoas que nem ao menos sabem o meu nome ... olham para mim quando lhes ofereço amor, e em troca me dão migalhas de dor ... estou cercada por milhares de passarinhos ... mas nenhum deles me ajudam a engolir essas migalhas que a cada dia se tornam mais duras.
eu quero apenas um passarinho ... um passarinho que leve embora algumas migalhas e não deixe outras no lugar ... um passarinho que me entenda e se importe com que eu penso, falo, gosto, sonho ... que GRITE meu nome com carinho e LEMBRE DE MIM EM SEU NINHO.

sábado, 10 de maio de 2008

Eu ... psicodélica

Lisbela e o prisioneiro...

2006 foi um ano maravilhoso porque tive a honra de estar entre estas pessoas que só acrescentaram coisa boas a minha vida... MUITA MERDA PRA TODOS !!!

Phelipe e Agnes ...

Rita Lee por Pollyanna *

Um belo dia resolvi mudar e fazer tudo que eu queria fazer, me libertei daquela vida vulgar e em tudo que eu faço existe um porquê... eu sei que eu nasci pra saber.
Eu sinto prazer em ser quem eu sou...minha saúde não é de ferro , mas meus nervos são de aço, pra pedir silêncio eu berro, pra fazer barulho eu mesma faço... Aqui dentro do meu sangue vermelho me acustumei com você sempre reclamando da vida, me ferindo e me curando.
Eu sou uma grande mulher, porêm LOUCA , para mim nada disso importa, vou abrir a porta pra você entrar, venha me ver amanhã, pra variar aqui quem fala é da Terra.
Você não imagina a loucura de uma pessoa comum , um filho de Deus, nessa canoa furada , remando contra a maré, mas eu gosto de andar na beira arriscando minha vida por um pouco de emoção, dizem que sou louca por viver assim, mas louco é quem diz "já estou no céu".... sim sou
MUITO LOUCA, não vou me curar, eu não fumo, não bebo.... então qual é a sua?
Talvez você não me entenda... eu sou a luz das estrelas, sou a cor do luar, sou o medo de amar, a força da imaginação, eu sou a vela que acende, sou a luz que se apaga, sou o tudo e o nada...

Perguntas não vão lhe mostrar que eu sou feita da terra, do fogo da água e do ar.

DESCULPE EU NÂO QUERIA MAGOAR VOCÊ! Mas a noite é um criança distraida, e como é estranho ser humano, este mundo não é sério...gosto de sombra e água fresca e não a nada melhor do que não fazer nada só pra deitar e rolar.
Meu Deus ..... quanto tempo eu passei sem saber???
Mas apesar dos pesares do mundo.... VOU SEGURAR ESSA BARRA.

sábado, 29 de março de 2008

Alegria na biblia ...

(...)
O reverendo Paul Ford estava muito magoado. Mês após mês, desde há um ano, as condições na sua paróquia tinham piorado cada vez mais, até que, presentemente, para onde quer que se virasse, encontrava apenas discussões, maldizência, escândalo e inveja. Tinha procurado evitar aquilo, falando com as pessoas, predicando, mas era ignorado. Além disso, rezava fervorosamente na esperança das coisas melhorarem. Porém, chegara à conclusão de que nada melhorara, antes pelo contrário. Dois dos seus clérigos tinham-se zangado por uma questão sem importância, três das suas colaboradoras mais enérgicas da organização de caridade tinham-se afastado por causa das más línguas que tinham provocado escândalo. Havia depois divergências sobre as preferências dadas ao solista do coro. E para cúmulo, o responsável e dois dos professores da catequese tinham-se demitido. Esta fora a gota de água que fizera transbordar o vaso e o pastor desanimado resolvera ir para o bosque rezar e meditar. Era preciso fazer alguma coisa, pensava o pastor. Todo o trabalho da paróquia estava parado. Cada vez menos gente frequentava as actividades religiosas. Os poucos colaboradores que restavam degladiavam-se entre si. Por causa de tudo isto, o reverendo Paul Ford sofria muito. Era preciso fazer alguma coisa, mas o quê? O reverendo tirou do bolso as notas que tinha feito para o sermão do próximo domingo. E começou então , a ensaiá-lo aos gritos com voz irada. Até os pássaros e os esquilos tinham fugido deixando tudo em silêncio. O reverendo dobrou de novo as notas e meteu-as no bolso. Começou então a rezar. Estava ele nisto, quando 140 Pollyanna, que regressava a casa depois de ter estado no solar de Pendleton, o encontrou. Correu para ele com um gritinho. - Oh, Mr. Ford! Partiu alguma perna? O reverendo deixou cair as mãos e olhou para ela tentando sorrir. - Não, menina, não! Estou só a descansar. - Ah, ainda bem. É que Mr. Pendleton, quando o encontrei, tinha partido uma perna. Mas ele estava deitado no chão e o senhor está sentado. - Sim, estou sentado e não parti nada que os médicos possám curar. Estas últimas palavras foram ditas em voz muito baixa, mas Pollyanna ouviu- as. Os olhos dela brilharam de simpatia. - Eu sei o que quer dizer, está preocupado com alguma coisa. O pai costumava sentir-se assim muitas vezes. Quase todos os pastores se sentem, frequentemente, assim. Eles são sujeitos a tantas exigências e soli citações. O reverendo virou-se para ela surpreendido. - O teu pai era pastor? - Sim, não sabia? Pensava que toda a gente sabia. Ele casou com a irmã da tia Polly, que era a minha mãe. - Ah, estou a perceber. Sabes, eu estou aqui há poucos anos e não conheço as histórias de todas as famí lias. - Sim, senhor - sorriu Pollyanna. Fez-se um grande silêncio. O reverendo que continuava sentado junto a uma árvore pareceu ter- se esquecido da presença de Pollyanna. Tirou alguns papéis dos bolsos e desdobrou-os, mas não estava a olhar para eles. Em vez disso tinha o olhar fixo numa folha caída, a alguma distância. Pollyanna sentiu uma certa pena dele. - Está um lindo dia - começou ela, esperançosa. Por um breve instante não houve resposta, depois o reverendo olhou para cima. - O quê? Ah sim, está um lindo dia. - Não faz frio nenhum, embora estejamos em Outubro - observou Pollyanna ainda mais esperançosa. - Mr. Pendleton tem uma lareira mas diz que não precisa dela. É só para ver. Eu gosto muito de ficar a olhar para a lareira, não gosta? Desta vez não houve resposta, embora Pollyanna aguardasse pacientemente antes de tentar de novo. - Gosta de ser pastor? O reverendo Paul Ford desta vez olhou logo para ela. - Se eu gosto? Mas que pergunta estranha! Porque perguntas isso, minha menina? - Nada, pelo modo como olhava. fez-me lembrar o meu pai. Ele costumava ter esse ar, às vezes. - Ah, sim? - a voz do reverendo era educada mas tinha voltado a fixar os olhos na folha caída. - Sim, e eu costumava perguntar-lhe se gostava de ser pastor, tal como lhe perguntei agora a si. O homem sorriu tristemente. - E o que é que ele dizia? - Claro que ele dizia sempre que sim, mas dizia também que não continuaria a ser pastor nem mais um minuto se não fosse por causa dos “textos de júbilo”. - Os quê? - Era assim que o pai costumava chamar-lhes - disse ela a rir. - É claro que a Bíblia não lhe chama assim, mas são todos aqueles que servem para animar e reconfortar as pessoas: Uma vez quando o pai se sentiu muito triste contou-os. Havia oitocentos textos desses.
Oitocentos? - Sim, textos que dizem às pessoas para ficarem contentes, para se alegrarem. Era a esses que o pai chamava “textos de júbilo”. - Então o teu pai gostava desses “textos de júbilo” - murmurou ele. - Sim - reafirmou Pollyanna enfaticamente. Ele dizia que se sentia logo melhor quando os contava. Dizia que se Deus se deu ao incómodo de nos dizer oitocentas vezes para ficarmos contentes e alegres era porque queria que nós também o disséssemos uns aos outros. E o pai sentiu-se envergonhado por não o ter feito mais vezes. Depois disso, esses textos davam-lhe tanto conforto quando as coisas corriam mal, quando, por exemplo, as senhoras da caridade se zangavam umas com as outras por não concordarem com alguma coisa.
(...)
Pollyanna - Eleonor Porter.

sexta-feira, 28 de março de 2008

Curiosidade da Páscoa !

A Páscoa é sempre o primeiro Domingo depois da primeira lua cheia depois do equinócio de Primavera (20 de Março). Esta datação da Páscoa baseia-se no calendário lunar que o povo hebreu usava para identificar a Páscoa judaica,razão pela qual a Páscoa é uma festa móvel no calendário romano.
Este ano a Páscoa acontece mais cedo do que qualquer um de nós irá ver alguma vez na sua vida! E só os maisvelhos da nossa população viram alguma vez uma Páscoa tão temporã (mais velhos do que 95 anos!).
1) A próxima vez que a Páscoa vai ser tão cedo como este ano (23 de Março) será no ano 2228 (daqui a 220 anos). A última vez que a Páscoa foi assim cedo foi em 1913.
2) Na próxima vez que a Páscoa for um dia mais cedo, 22 de Março, será no ano 2285 (daqui a 277 anos).
A últimavez que foi em 22 de Março foi em 1818.
Por isso, ninguém que esteja vivo hoje, viu ou irá ver uma Páscoa mais cedo do que a deste ano.

terça-feira, 25 de março de 2008

Provérbio dos índios norte-americanos...

"Dentro de mim há dois animais...Um deles é cruel e mau, o outro é muito bom. Os dois estão sempre brigando. O que ganha a briga é sempre o que eu alimento mais freqüentemente."

sexta-feira, 21 de março de 2008

HELP ME !

TATOO MAIS LEGAL....

A ESCOLA DOS BICHOS

Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma escola. Para isso reuniram-se e começaram a escolher as disciplinas. O Pássaro insistiu para que houvesse aulas devôo. O Esquilo achou que a subida perpendicular em árvores era fundamental. E o Coelho queria de qualquer jeito que a corrida fosse incluída. E assim foi feito, incluíram tudo, mas... cometeram um grande erro. Insistiram para que todos os bichos praticassem todos os cursos oferecidos. O Coelho foi magnífico na corrida, ninguém corria como ele. Mas queriam ensiná-lo a voar.Colocaram-no numa árvore e disseram: "Voa,Coelho". Ele saltou lá de cima e "pluft"...coitadinho! Quebrou as pernas. O Coelho nãoaprendeu a voar e acabou sem poder correr também. O Pássaro voava como nenhum outro, mas oobrigaram a cavar buracos como uma topeira.Quebrou o bico e as asas, e depois não conseguia voar tão bem, e nem mais cavar buracos. SABE DE UMA COISA? Todos nós somos diferentes uns dos outros e cada um tem uma ou mais qualidades próprias dadas por DEUS. Não podemos exigir ou forçar para que asoutras pessoas sejam parecidas conosco ou tenham nossas qualidades. Se assim agirmos, acabaremos fazendo com que elas sofram, e no final, elas poderão não ser o que queríamos que fossem e ainda pior, elas poderão não mais fazer o que faziam bem feito.
(Rosana Rizzuti)

quarta-feira, 19 de março de 2008

CARTÃO DE VISITA

Um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário que lia um livro de ciências. O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta. Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia e estava aberta no livro de Marcos. Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou: - O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices? - Sim, mas não é um livro de crendices. É a Palavra de Deus. Estou errado? - Mas é claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a História Universal. Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda crêem em Deus. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso. - É mesmo? E o que pensam e dizem os nossos cientistas sobre a Bíblia? - Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência. O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário. Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba. No cartão estava escrito: Professor Doutor Louis Pasteur, Diretor Geral do Instituto de Pesquisas Científicas da Universidade Nacional da França. "Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima". (Louis Pasteur) (Fato verdadeiro, ocorrido em 1892, integrante da biografia de Pasteur.)

terça-feira, 18 de março de 2008

O jogo de Pollyanna

(...) — Mas que susto me pregou, Miss Pollyanna — gritou Nancy enquanto corria em direção ao rochedo ao longo do qual Pollyanna tinha acabado de deslizar. — Assustou-se? Ah, desculpe, mas não precisa de se preocupar comigo, Nancy. O pai e as senhoras da caridade também se preocupavam, até que se convenceram de que eu voltava sempre bem. — Mas eu nem sabia que se tinha ido embora! — exclamou Nancy, enquanto agarrava na mão da menina, apressando-se a descer o morro. — Não a vi sair, nem ninguém viu. Até parece que voou do telhado. — É verdade, quase que voei, desci pela árvore! Nancy parou bruscamente. — Desceu por onde? — Desci pela árvore, junto à minha janela. — Minha Nossa Senhora! — exclamou Nancy, recomeçando a correr. — Nem imagino o que a sua tia dirá quando souber! — Não faz mal, eu digo-lhe — prometeu a menina alegremente. — Por favor, não lhe diga nada! — Por que, não me diga que ela se preocupa com isso! — respondeu Pollyanna imperturbável. — Não... Sim. Não importa. Estou muito preocupada com o que ela possa dizer — disse Nancy determinada a evitar que Pollyanna fosse repreendida. Mas é melhor despacharmo-nos, tenho que lavar a loiça. — Eu ajudo — prometeu logo Pollyanna. — Oh, Miss Pollyanna! Não pense nisso. Por momentos, fez-se silêncio. O céu escurecia rapidamente. Pollyanna agarrou-se com mais firmeza ao braço da sua amiga. — Apesar de tudo, acho que estou contente por você se ter assustado, porque assim veio à minha procura. — Pobre cordeirinho! E deve estar cheia de fome. Receio que tenha de comer apenas pão e leite na cozinha comigo. A sua tia não gostou nada que não tivesse descido para o jantar. — Mas eu não podia. Estava lá em cima. — Sim, mas ela não sabia isso — observou Nancy. — Tenho pena que tenha de ser pão e leite. — Não faz mal. Eu estou contente. — Contente? Por que? — Porque gosto de pão e de leite e gosto de comer consigo. Não tenho dificuldade nenhuma em estar contente com isso. — A menina parece que não tem dificuldade em ficar contente seja com o que for — respondeu Nancy, recordando as tentativas de Pollyanna para ficar contente com o quartinho do sótão. Pollyanna sorriu docemente. — Pois o jogo é mesmo isso. — O jogo? — Sim, o “jogo do contente”. — Mas de que está a falar? — É um jogo. O pai ensinou-mo e é muito giro — respondeu Pollyanna. — Sempre o jogamos, desde que eu era pequena. Ele ensinou-o também às senhoras da caridade e algumas delas também o jogavam. — Mas o que é? Não sou muito de jogos. Pollyanna riu de novo mas à luz do crepúsculo o rosto dela parecia tristonho. — Começamos a jogá-lo quando recebemos umas muletas na coleta da missão. — Muletas? — Sim. Eu queria uma boneca e o pai escreveu-lhes, pedindo-a. Mas, quando a encomenda chegou, não tinham mandado nenhuma boneca e sim umas muletas de criança. Uma senhora enviou-as pensando que elas podiam ser úteis a alguma criança. E foi assim que começamos. — Mas não consigo perceber que jogo é que pode haver nisso — disse Nancy quase irritada. — O jogo era exatamente encontrar alguma coisa com a qual estar contente, não importa o quê — respondeu Pollyanna com ar sério. — E começamos naquela altura, com as muletas. — Meu Deus! Não vejo nada para estar contente. Recebeu um par de muletas quando queria uma boneca! Pollyanna bateu as palmas. — É isso — gritou ela — eu também não percebi logo. Teve que ser o pai a dizer-me. — Bom, então espero que também me diga — retorquiu Nancy impaciente. — Pois o jogo é ficar contente por não precisarmos delas! — exclamou Pollyanna triunfante. — Vê, é muito fácil quando sabemos como fazer! — Mas que coisa estranha! — exclamou Nancy, olhando Pollyanna com ar receoso. — Não é engraçado? É giríssimo — continuou Pollyanna entusiástica. — Desde então passamos a jogá-lo sempre. E quanto mais difícil é, mais divertido se torna resolvê-lo. Só que, por vezes, custa muito. Como, por exemplo, quando o meu pai foi para o céu e não ficou mais ninguém senão as senhoras da caridade. — Ou quando a metem num quartinho no sótão quase sem nada lá dentro — resmungou Nancy. Pollyanna disse que sim com a cabeça. — Essa foi um pouco difícil ao princípio — admitiu ela. — Especialmente quando eu estava tão só. Não me apetecia continuar a jogar e naquela altura estava à espera de coisas boas! Lembrei-me, então, de como detestava ver as minhas sardas no espelho e vi aquela linda vista da janela. Percebi logo que tinha descoberto coisas para ficar contente. Quando estamos à procura de coisas boas para ficarmos contentes esquecemo-nos das outras. Como da boneca que eu queria. — Estou a perceber — respondeu Nancy, engolindo em seco. — Mas normalmente não leva muito tempo. E muitas vezes já penso nelas quase sem pensar. Habituei-me a fazer este jogo. Eu e o pai gostávamos muito dele. Se calhar agora vai ser um pouco mais difícil porque eu não tenho ninguém com quem jogar. Talvez a tia Polly jogue comigo — acrescentou ela pensativa. — Minha Nossa Senhora! — murmurou Nancy entre dentes. Depois disse mais alto: — Ouça, Miss Pollyanna, eu não sei se consigo jogar bem, mas se quiser posso tentar jogar consigo! — Oh, Nancy! — exultou Pollyanna. — Isso é esplêndido, vamos divertir-nos imenso. — Sim, talvez — condescendeu Nancy com algumas dúvidas. — Mas não deve depositar grandes esperanças em mim. Nunca fui muito boa em jogos, mas vou fazer o possível. Há de ter alguém com quem jogar — concluiu ela enquanto entravam as duas juntas na cozinha. Pollyanna comeu o seu pão e bebeu o seu leite com muito apetite. Depois, por sugestão de Nancy, dirigiu-se à sala de estar onde a tia estava sentada a ler. Miss Polly levantou os olhos com firmeza. — Já comeste o teu jantar, Pollyanna? — Sim, tia Polly. — Tenho muita pena de me ter visto obrigada a mandar-te para a cozinha comer pão e leite. — Não faz mal, estou muito contente com isso, tia Polly. Gosto muito de pão e leite e também da Nancy. Não se preocupe. (...) Pollyanna (Eleanor H. Porter )

sábado, 15 de março de 2008

Evolução da matemática no Brasil....

Semana passada uma senhora comprou um produto que custou R$ 1,58. Deu à balconista R$ 2,08 para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente, sem saber o que fazer. A senhora, então, explicou que ela tinha que dar 50 centavos de troco, mas a balconista não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela,aparentemente, continuava sem entender. Por que estou contando isso? Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim: 1. Ensino de matemática em 1950: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda. Qual é o lucro? 2. Ensino de matemática em 1970: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é igual a 4/5 do preço de venda ou R$ 80,00. Qual é o lucro? 3. Ensino de matemática em 1980: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00. Qual é o lucro? 4. Ensino de matemática em 1990: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00. Escolha a resposta certa, que indica o lucro: ( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00 5. Ensino de matemática em 2000: Verdadeiro ou Falso ( )Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção desse carro de lenha é R$ 80,00. O lucro é de R$ 20,00. 6. Ensino de matemática em 2007: Um cortador de lenha vende um carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00, que representa o lucro. ( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

sexta-feira, 14 de março de 2008

um dia apos o outro...

ξϊЗღ APRENDER... Aprendi que crescer não significa fazer aniversario. Que o silencio é a melhor resposta quando se ouve uma bobagem. Que trabalhar não significa só ganhar dinheiro. Que amigos a gente conquista mostrando o que somos. Que os verdadeiros amigos sempre ficam com você até o fim. Que a maldade se esconde atrás de uma bela face. Que a natureza é a coisa mais bela da vida. Que quando penso saber de tudo ainda não aprendi nada. Que um só dia pode ser mais importante que muitos anos. Que se pode conversar com as estrelas. Que se pode confessar com a lua. Que se pode viajar até o infinito. Que ouvir uma palavra de carinho faz bem a saúde. Que dar carinho também faz...Que sonhar é preciso. Que se deve ser criança a vida toda. Que nosso ser é livre. Que Deus não proíbe nada em nome do amor. Que o julgamento alheio não é importante e que o que realmente importa é a paz interior. E finalmente, aprendi que não se pode morrer pra se aprender a viver... " ξϊЗღ Shakespeare